Domingo, 24 de Setembro de 2017 às 23:35

Agricultores denunciam falta de assistência em programa de irrigação

Agricultores de São Mateus do Maranhão, a 180 km de São Luís, denunciam a falta de manutenção no ‘Projeto Salangô’, criado pelo Governo do Maranhão e considerado o maior projeto agrícola de irrigação do estado. Segundo eles, a água destinada a irrigação das plantações não estaria sendo bombeada para os canais e com isso, os produtores teriam perdido toda a safra.

O projeto Salangô beneficia cerca de 400 famílias que cultivam milho, arroz e frutas em uma área de dois mil hectares. De acordo com os agricultores há mais de 40 dias, a água que deveria ser irrigada para os canais não foi bombeada e eles denunciam que a casa de bombas, onde são bombeadas as águas do Rio Mearim para os canais de irrigação, estariam com defeito e desde então, nenhuma equipe do governo do Estado teria prestado assistência às famílias.

 “Tem gente aqui que está com 40 dias que plantou e nunca veio essa água. Nós plantamos para produzir sementes para o inverno. Eu e meus filhos precisamos de 25 mil quilos de sementes, que nos íamos ter nossa semente agora vamos ter que comprar fora e está tudo perdido”, conta o produtor rural Valmir Rosalis.

Alguns agricultores com medo de ficar sem nenhum tipo de renda apostaram na criação de peixes. Entretanto, as altas temperaturas e o tempo seco estão deixando os açudes sem água e com isso, os peixes estão morrendo. “Nós não temos água aqui, no momento se encontra seco [o açude], os peixes estão morrendo por falta de água. Nós fizemos isso daqui acreditando que íamos ter água no canal da gente. Muito prejuízo”, diz Francisco de Assis Santos, produtor rural.

Com tanto prejuízo nas lavouras, os agricultores esperam que o problema seja resolvido e que consigam salvar o que ainda resta na plantação. Os produtores reclamam da falta de infraestrutura nos canais, que estão com as estruturas quebradas. Eles estimam que além da perda nas lavouras, mais de 1,5 toneladas de adubo estão se perdendo.

Por meio de nota, a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) afirmou que desde 2006 vem sendo realizada a reformas e manutenções de equipamentos dentro do projeto. A secretaria afirma que os produtores rurais do projeto recebem assistência por meio de um convênio entre a Sagrima e a Senar.

Ainda na nota, a Sagrima afirma que a casa de força onde ficam as bombas, o funcionamento foi interrompido por conta de uma manutenção na rede elétrica, mas segundo o órgão a situação já foi resolvida. A Companhia Energética do Maranhão (Cemar) se comprometeu a fazer a ligação de energia.

Tag's: irrigação, agricultor, plantação

Fonte: G1

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADES